por Ana Paula Talavera*

Grandes avanços são criados na área da realidade virtual, bots, inteligência artificial e outras, com pouco ou nenhum investimento em compreender o verdadeiro xis da questão: em meio a tantos dados gerados pelos próprios consumidores, como levar em conta o imenso significado por trás de tudo que é gerado por eles?
A realidade para quem trabalha com social intelligence é nua e crua: estudos indicam que menos de 1% dos dados gerados globalmente é analisado. Em meio a este cenário, toda marca dedicada a entender as motivações emocionais por trás de seus clientes já estará a frente em construir uma relação verdadeira com eles. Hoje, o propósito da marca está mais do que nunca presente no momento do consumo e um dos principais drives em conectar os consumidores a uma marca é usar a emoção.
celular emocoes
“Pode ter certeza, o futuro do marketing, como seu passado, é moldado pelas duradouras realidades de como as pessoas pensam, percebem, sentem, decidem e agem.” John Deighton, especialista em comportamento do consumidor e marketing e professor da Harvard Business School

Em um estudo publicado pela Harvard Business Review, depois de um banco lançar um cartão de crédito direcionado aos Millennials, o uso dentro da geração Y aumentou em 70% e novas aquisições do cartão cresceram 40%, a partir de uma estratégia direcionada a inspirar conexões emocionais. Tais estratégias não precisam mais ser um mistério – elas podem ser uma nova forma de vantagem e crescimento competitivo para as marcas. Veja 10 dos principais motivadores emocionais pela ótica do consumidor traduzidas diretamente do estudo:

  1. Destacar-se da multidão
  2. Ter confiança no futuro
  3. Desfrutar de uma sensação de bem-estar
  4. Sentir uma sensação de liberdade
  5. Sentir uma sensação de emoção radical
  6. Sentir uma sensação de pertencimento
  7. Proteger o meio ambiente
  8. Ser a pessoa que ele quer ser
  9. Sentir-se seguro
  10. Ter sucesso na vida

Para incentivar os consumidores a terem uma experiência emocional com as marcas, veja o que pode ser feito, respectativamente:

  1. Projetar uma identidade social única e ser visto como especial;
  2. Perceber o futuro melhor do que o passado e ter uma imagem mental positiva do que está por vir;
  3. Sentir que a vida atende às expectativas e esse equilíbrio foi alcançado e procurar um estado sem estresse sem conflitos ou ameaças;
  4. Agir de forma independente, sem obrigações ou restrições;
  5. Experimentar um prazer visceral e entusiasmo irresistíveis e participar de eventos divertidos excitantes e cheios de diversão;
  6. Fazer parte de uma comunidade com pessoas com quem quer se relacionar ou que são como ele deseja ser e sentir-se parte de um grupo;
  7. Sustentar a crença de que o meio ambiente é sagrado além de agir para melhorar seus arredores;
  8. Cumprir um desejo de autoaperfeiçoamento contínuo e viver a sua autoimagem ideal;
  9. Acreditar que o que eles têm hoje estará lá amanhã e perseguir objetivos e sonhos sem se preocupar;
  10. Sentir que eles conduzem vidas significativas e ir além dos limites financeiras ou socioeconômicas.

A partir desta complexa realidade entre dados e diferentes estilos de vida, identidade e visões de mundo dos consumidores, métodos etnográficos vêm para desbravar o entendimento da percepção dos produtos e serviços, além de fazer entender os momentos cruciais da jornada do consumidor, compreendendo suas aspirações e motivações.

* Ana Paula Talavera é Digital Content Strategist e participou do curso Etnografia em Mídias Sociais

Aproveite os aprendizados deste post e conheça o curso online Etnografia em Mídias Sociais do IBPAD, recomendado para profissionais interessados na compreensão dos comportamentos expressos online com a utilização de técnicas etnográficas. Apresentamos também o curso presencial (N)Etnografia em Mídias Sociais, que junto com pacote de cursos presenciais Inteligência, Etnografia e Métricas Digitais, lançamos em parceria com a ESPM SP. Aproveite e se inscreva!